Em ato inédito no país, os governos de Brasília e Federal cedem imóvel para etnia cigana

 

Meninas calon dançando. A ACEC - Associação Cigana das Etnias Calóns do DF e Entorno, luta por políticas públicas que beneficiem a comunidade cigana (Foto: Ascom / SCDC - MinC)

Meninas calon dançando. A ACEC – Associação Cigana das Etnias Calóns do DF e Entorno, luta por políticas públicas que beneficiem a comunidade cigana (Foto: Ascom / SCDC – MinC. Foto do destaque: EBC)

 

A secretária de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do DF, Marise Nogueira, representando o governo de Brasília, a secretária nacional do Patrimônio da União, Cassandra Maroni Nunes, assinaram na manhã de hoje (24) um termo de cessão de imóvel para abrigar os ciganos da etnia Calon. Pelo acordo, o governo federal concede o terreno e o governo de Brasília assume a responsabilidade de instalar a infraestrutura – água, luz, esgoto e demais equipamentos públicos. Esse modelo de cessão, para o assentamento de uma comunidade cigana, é inédito no País.

O superintendente regional da SPU no DF, Sergio Gonçalves, o secretário-executivo da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir-PR), Giovanni Harvey, e dirigentes da Associação da Comunidade da Etnia Calon no DF também estiveram presentes neste ato, que sela a seção de duas porções de terra que integram a área da antiga fazenda Sálvia, no Núcleo Rural Córrego do Arrozal, em Sobradinho. A primeira de 2,2 hectares, ocupada por 87 pessoas, e a segunda, de 3,5 hectares, com mais 70 pessoas, todas de origem cigana.

Os Calon são uma das três principais etnias de ciganos que vivem no Brasil — que inclui ainda os os Rom e os Sinti — e são o grupo mais numeroso atualmente, como eram na chegada dos primeiros ciganos ao país, no século 16. Os Calon começaram a se estabelecer em Sobradinho, no DF, a partir de 2009 e, desde então, lutam pelo direito à terra e por melhores condições de vida. A comunidade, que enfrenta várias formas de discriminação, sobrevive por meio de criação de porcos e galinhas e cultivo de milho, mandioca e feijão, além de manter as suas tradições culturais de dança e música.

A cessão da terra faz parte da preocupação dos governos de Brasília e federal de garantir a preservação da cultura e hábitos de populações tradicionais que vivem no território brasileiro e sofrem algum tipo de preconceito.